POR QUÊ OS MOVIMENTOS DE LUTA POR MORADIA
ESTÃO NA RUA E GRITAM DESPEJO ZERO?

A cada ano que passa o povo fica mais pobre. O aumento da carestia de vida no Brasil cresce na mesma medida que cresce o descontentamento com o governo Bolsonaro, que nada faz pelo povo. A alta do preço da gasolina, que dispara a cada dia, encarece a comida no prato dos brasileiros, que precisam voltar a cozinhar com lenha por conta do preço do gás!

Quem sofre são sempre os mais pobres, que não conseguem mais nem mesmo pagar
seu aluguel! Na busca de melhores condições de vida, cada vez mais famílias recorrem a ocupações, para que possam garantir o alimento na mesa de suas crianças, porque o salário mínimo não tem acompanhado o aumento do custo de vida!

Com a pandemia, tal situação se agravou em um nível gigantesco, e ela ainda não acabou!

A luta dos movimentos sociais garantiu uma lei contra os despejos, para que pelo menos as
famílias pudessem ter suas casas durante a pandemia. No mês de março de 2022 chega ao fim a lei do Despejo Zero, Lei nº 14.216/2021, que proibia os processos de remoções força‐
das em imóveis urbanos públicos e particulares. A lei inicialmente era para estar em vigor apenas até dia 31 de dezembro, mas foi prorrogada para o fim deste mês pelo STF.

A pergunta que fica é: para onde vão essas milhares de famílias caso sejam despejadas? Sem condições de pagar o aluguel e garantir a comida na mesa, com o desemprego batendo índices recordes no nosso país, a única solução que nos resta é a luta!

Ao todo, mais de 120 mil famílias no país inteiro estão ameaçadas de despejo, sendo que durante a pandemia já foram despejadas mais de 23 mil. Isso em meio a maior pandemia do século, em um contexto de pioradas condições de vida da população geral, aumento do custo de vida e diminuição dos salários.

Em Santa Catarina existem mais de 200 mil famílias em déficit habitacional, se fosse um município, o número de famílias que não vive dignamente estaria entre as 10 cidades mais populosas do estado, na 8ª posição. Além disso todo existem mais de mil famílias que podem sofrer despejos nos próximos meses apenas na Grande Florianópolis, e outras várias no restante do estado.

Enquanto isso, Santa Catarina está a mais de 10 anos sem programas habitacionais coerentes, que tenham por objetivo mudar essa realidade. A Companhia habitacional do Estado foi fechada em 2017, e o governo insiste em vender seu patrimônio que deveria ser do povo. Tudo isso em um momento em que os alugueis não param de subir.

É por isso que gritamos Despejo Zero e chamamos o povo para as ruas neste dia 17, às 13h na
frente do TJSC, para a entrega da carta da campanha, pedindo a prorrogação da suspensão dos despejos, e também seguimos lutando por políticas públicas de habitação para todo o povo.

O POVO TEM FOME E QUER MORADIA DIGNA PARA SEUS FILHOS!
DESPEJO NA PANDEMIA É CRIME, DESPEJO ZERO!

Conheça a campanha e apoie:
campanhadespejozero.org@campanhadespejozero

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.